Saúde Gaúcha
Informação para gestores e profissionais de saúde.

- Publicidade -

- Publicidade -

Em 2018, São Leopoldo registra aumento de 49,5% em consultas na Atenção Básica

0

Apesar de todas as dificuldades atravessadas com a falta de repasses do Estado e com a saída dos médicos cubanos, a Secretaria da Saúde comemora os bons resultados da administração. Em especial, na atenção básica, onde foi registrado o aumento de quase 30 mil consultas no ano passado em comparação com 2017, subindo de 59.618 para 89.131. Os números foram apresentados na quinta-feira, 21 de fevereiro, na Câmara de Vereadores, no balanço do terceiro quadrimestre.

São Leopoldo garante recursos para Laboratório Municipal, que é referência para 15 municípios

De acordo com secretário da Saúde, Ricardo Charão, a média seria ainda maior se não fossem o aumento das aposentadorias e a saída dos médicos cubanos no final de 2018. “A melhora se deve à readequação da carga horária proposta pelo governo e à reorganização do processo de acolhimento nas Unidades Básicas de Saúde (UBS)”, explicou. Foram realizados 4.410 atendimentos no mês de dezembro, que equivale a um pouco mais da metade da média dos meses anteriores. Até o momento, dez dos 13 profissionais foram recolocados pelo Ministério da Saúde.

Estado e São Leopoldo discutem iniciativas para ampliar a proteção animal

Outro ponto positivo do aumento de consultas na atenção básica é a consequente diminuição dos atendimentos especializados, que caíram de 107.014 para 79.811. “Isso demonstra uma alteração positiva em favor da saúde preventiva. Mais do que racionalizar recursos, diminuímos a gravidade da doença tratando na origem”, ressaltou Charão.

Justiça bloqueia mais de 2 milhões do Estado para a saúde de São Leopoldo

A rede de urgência também foi destaque positivo. O atendimento médico em Unidade de Pronto Atendimento aumentou de 120.526 para 126.090. O atendimento de urgência de observação de até 24h em atenção especializada aumentou de 11.872 para 26.298 e o atendimento de classificação de risco foi de 100.261 para 111.816. O terceiro item salientado foi a Vigilância Sanitária, cujo total de atividades passou de 502 para 726.

Seis meses sem repasse do Governo do Estado

O aumento de atendimentos, no entanto, não contou com aporte financeiro do Governo Estadual, que não tem repassado os recursos garantidos em lei. “Ficamos sem receber um centavo do Estado desde o dia 16 de junho até dezembro de 2017”, declarou Charão diante das vereadoras Edite Lisboa, a Cigana (PSB), presidente da Comissão de Saúde, e Ana Affonso (PT), líder do governo no Legislativo. Para conseguir parte da verba, a Prefeitura tem acionado judicialmente o Estado. Dessa forma foram obtidos R$ 2,2 milhões para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Scharlau, R$ 300 mil para assistência farmacêutica e R$ 350 mil para saúde mental.

A apresentação de hoje faz parte do balanço do terceiro quadrimestre. Alguns dados ainda não foram lançados ou ainda não estão consolidados. O relatório final da Secretaria da Saúde será apresentado no final do mês de março, no Relatório Anual de Gestão.

Fonte: Prefeitura de São Leopoldo

Envie um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

WhatsApp chat